quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Havia um lago.




.
Havia lá um lago. Com uma ponte, até. Um lago com patos e nenúfares. Rãs e peixes dourados, assim como nas histórias de crianças. Mariana gostava de se sentar à beira do lago, ao entardecer, em leituras românticas ou a bordar e a coser.
.



.
Depois houve lá uma «Comissão de Moradores». Mas isso foi muito depois. Nessa altura, já Mariana não vivia ali.
.

.
E então vieram os homens e taparam tudo com tijolos e cimento.
.





.
Fecharam as janelas com tijolos.
.



.
Mariana hesitara muito antes de casar.
.

.
Por aqueles caminhos, Mariana pensava antes de casar.
.

.
E vieram os rapazes com tinta. Pintaram tudo. «Tiroteio», escreveram.
.

.
«Casa do Tiro».
.

.
«Castelo da Morte».
.

.
As paredes de estuque assistiram ao pedido de casamento de Mariana. Mariana hesitou muito antes da cerimónia.
.

.



.
As paredes de estuque. Mariana casou, enfim. Porque tinha de ser.
.

.
Do Brasil, o pai trouxera o gosto das palmeiras. A quinta tinha muitas palmeiras. Ainda lá existem palmeiras.
.
.

.
As janelas, agora, caíam no vazio.
.





.
Os rapazes deitaram abaixo os tijolos. E entraram.
.

.
Mariana gostava de viver ali. Agora, depois de casar, só aqui viria de vez em quando.
.



.
Isto é só um «post» num blogue. Não liguem muito. É só um blogue.
.

.
Mariana não teve filhos. Morreu sem netos. Os sobrinhos desentenderam-se.
.



.
Veio um fogo. Vem sempre um fogo.
.



.
Agora, as paredes olharam para nós. Surpreendidas.
.

.
Agora, tinham destruído tudo.
.

.
Destruíram tudo. Tudo.
.



.
Não havia nada a fazer.
.

.
Só havia pedras moribundas. Chove em Lisboa e no meu coração.
.
.

.
Chove em Lisboa e no meu coração.
.

.
Havia lá um lago. Com uma ponte, até. Agora, não resta nada. Só uma casa suicidada.
.

.
Na Quinta da Salgada, só resta a memória de uma Mariana imaginária. Quinta da Salgada, em plena campanha eleitoral. O ruído da campanha, lá longe. E, aqui, a lembrança de um lago vazio. Mas isto é só um blogue, não é?

2 comentários:

antoniomcascais disse...

As fotos são bonitas,a sequência também, mas...Mariana ,afinal isto é só um blogue ?
Que pena , não percebi nada , gostava de saber que romantiquice é esta,gostava de ajudar a defender este lindisssimo património , mas assim, sem saber sequer aonde fica , não dá...

DomGaston disse...

Este post, é um poema urbano, além de uma homenagem a uma eventual antiga proprietária...tem a ver com todo o ambiente impregnado de romantismo...está fantástico, como é costume...

Já agora....fotografei esta antiga quinta e além do nome, nada mais consegui saber...alguém me pode ajudar a desenterrar a sua história???