sexta-feira, 6 de março de 2009

Faianças e Azulejos Sant’Anna.


.
.
Para além da Fábrica Sant’Anna, existe também a loja no Largo Barão de Quintela no eixo romântico Cais do Sodré / Rato. Desde a "Lisboa 94" - Capital europeia da cultura até hoje, o percurso tem vindo a degradar-se, sobretudo durante as incursões nocturnas dos bárbaros, em que a falta de civismo destrói tudo o que lhe aparece pela frente. Em nome dos direitos individuais, esquecem-se os deveres, os direitos colectivos e, quantas vezes, a lei. Lamentavelmente, ter uma cidade limpa não é uma prioridade da Câmara Municipal de Lisboa. Infelizmente, o civismo também parece não ser uma prioridade dos portugueses.
.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.
A loja da Fábrica de Faianças e Azulejos Sant’Anna está constantemente a ser vandalizada com tags e graffitis nas paredes e nas montras.
Os Bombeiros (manifestamente com falta de espaço, não se entende porque razão ali permanecem...) ocupam todo o Largo com as suas viaturas, como se o espaço urbano mais não fosse que um parque de estacionamento. Uma cidade dois sistemas, também se aplica ao Largo Barão de Quintela.
.

.

1 comentário:

Jorge disse...

É incrível a quantidade de grafitis vandalizando a fachada da Loja. É incrível... Isto não acontece em nenhuma grande capital do mundo ocidental, mas nalguma parte de África. Bandalheira.
Lisboa não é exemplo para ninguém.

Parabéns pelo v/ trabalho.