quarta-feira, 29 de outubro de 2008

A Muralha de Aço.

O assunto, de tão conhecido, não carece de grandes explicações. Obrigado, Miguel Sousa Tavares, pela petição contra a muralha de contentores que querem construir em Alcântara. Desde há muito, também vimos denunciando o que se passa no Porto de Lisboa. Entre muitos outros «posts», pode ver, nos «Destaques» ao lado, as reportagens «Há Lodo no Cais» e «Almada, tão Longe».

Assine aqui a petição e dê a conhecer este assunto ao maior número de pessoas, enviando-lhes este link:

http://www.gopetition.com/online/22835.html


Petição:

A ampliação da capacidade do terminal de contentores de Alcântara que o Governo inoportunamente se propõe levar por diante implicará a criação de uma muralha com cerca de 1,5 quilómetros com 12 a 15 metros de altura entre a Cidade de Lisboa e o Rio Tejo. A zona de Alcântara estará sujeita a obras durante um período previsto de 6 anos, impossibilitando assim a população de aceder ao rio pelas “Docas”, levando ao fecho de toda a actividade lúdica desta zona, pondo em risco 700 postos de trabalho. Os terminais de contentores existentes nos portos de Portugal no final de 2006 tinham o dobro da capacidade necessária para satisfazer a procura do mercado. O Tribunal de Contas em relatório de Setembro de 2007 sublinhava que a Administração do Porto de Lisboa (APL) é líder no movimento de carga contentorizada em Portugal, e apresenta desafogadas capacidades instaladas e disponíveis, para fazer face a eventuais crescimentos do movimento de contentores.A prorrogação da concessão do terminal de contentores de Alcântara até 2042 que o Governo pretende concretizar com o Decreto-Lei n.º 188/2008, de 23 de Setembro, e que prevê a triplicação da sua capacidade afigura-se assim completamente incompreensível, desnecessária, e inaceitável para mais sem concurso público.Apesar da lei prever 30 anos para a duração máxima das concessões, com esta prorrogação a duração desta concessão será na prática, de 57 anos, o que, tal como o Tribunal de Contas sublinha, impede os benefícios da livre concorrência por encerrar o mercado por períodos de tempo excessivamente longos. Com esta decisão do Governo perde a Cidade de Lisboa, perdem os cofres públicos, perde o sistema portuário nacional, no fundo perdem os portugueses. Em face do exposto, os abaixo-assinados vêm pelo presente meio solicitar à Assembleia da República que sejam tomadas as medidas necessárias para impedir este atentado estético e económico contra o País, contra Lisboa e contra os seus cidadãos, revogando o DL n.º 188/2008, de 23 de Setembro.











.


































1 comentário:

JAZZINHOLISSIPO disse...

I love your site, it is great. I too live in and love Lisbon. But I totally disagree with the idea that one should stop the development of the Alcantara terminal. First, this harbor exist as a cargo terminal for three millennium. Lisbon exist because of its ports. It is central to the nature of Lisbon. With the current economic situation in Portugal you cannot afford to loose the jobs and economic activity this project will bring. If you look at history, Portugal's decline started when the Dutch developed their ports, thanks mainly to the Portuguese Jews that had to leave their country. Amsterdam ports are con-substantial to the nature of this pumping economy. Lisbon is the closest European Port to Brasil and Africa, it's formers colonies. This is a huge opportunity which can provide jobs and influence for a country that is bankrupt. If the cost is to lose the view on the river, then it is a very acceptable cost.