sábado, 23 de maio de 2009

Uma geração passa, outra lhe sucederá.


.
Este é o Senhor David. E aquele é o Senhor David.
.

.
Não, não são gémeos. Este é o neto. O David, neto.
.

.
E este é o avô David.
- Como é que se chama?
- Tenho o nome do rei da Judeia! Qual é que era?
- ...
- David, homem!
- Ah!
.

.
David é marceneiro desde os 11 anos. Ele corrige-me: 11 anos e meio. Marceneiro desde os 11 anos e meio. Natural de Aguiar da Beira, veio para Lisboa com essa idade. Aprendeu o ofício. Até na tropa trabalhou como marceneiro. Não fez outra coisa na vida. Há coisas que são para toda a vida. Ser marceneiro, por exemplo. E há coisas que se passam de avôs para netos. Como a paixão da madeira, por exemplo. David viveu sempre na zona do Bairro Alto. Uma vida longa. Tem o nome do rei David e a idade de Matusalém. Uma vez, a família toda adoeceu, morávamos na Rua do Norte, havia uma tipografia no rés-do-chão, e foram as tintas ou os produtos lá deles...
.

.
David conheceu Salazar. Trabalhava nas oficinas do SNI. Um dia, Salazar foi lá. David viu toda a gente a tratá-lo por «senhor doutor». David ainda era miúdo. O senhor doutor cumprimentou-o e falou-lhe do ofício. Ele cumprimentou o senhor doutor. Ainda hoje fala disso.
.

.
Já passaram muitos anos. Agora, David trabalha na construção de uma papeleira, enquanto fala comigo. Falámos muito tempo, calmamente. Pois na oficina de David, rei da Judeia, o tempo corre devagar. A papeleira é a sua paixão de momento. Fala-me dela com carinho, trata-a por «tu», como se fosse um ser vivo, animado por um sopro divino. Mostra-me os segredos do móvel, cada recanto invisível. Disse-me simpaticamente para regressar quando a obra estivesse mais acabada, lá mais para a frente. Não disse quando, que estas coisas demoram o seu tempo.
.

.
David levou-me a outra divisão, quis mostrar-me tudo. Aqui, um quadro de um grupo excursionista de benfeitores, criado há muitos anos para ajudar as crianças pelo Natal.
.

.
- Este aqui também era marceneiro.
- Este?

- Não, este, o da direita.
.

.

.
Já morreram todos.
.

.
Mas esta é a peça de que David mais gosta. O quadro com as figuras recortadas em papel dos membros do grupo excursionista «Os Senhorinhos». Trabalho minucioso, ingénuo. Como seria viver em Lisboa nesses tempos? Descer as ruas do Bairro Alto para se encontrar com os outros amigos do grupo e ir por aí fora fazer uma excursão nos arredores, uma pândega ao Dafundo? Tirar uma fotografia de fato a rigor, num fotógrafo profissional, para aparecer depois aqui, nesta caixa de afectos que alguém um dia fez, pacientemente.
.

.

.
Já morreram todos. «Os Senhorinhos». Algum dia pensariam que, anos e anos depois, alguém os veria nos fundos de uma marcenaria, na Rua Fernandes Tomás? Imaginavam que os seus rostos jovens acabariam por aparecer numa coisa chamada «Internet»? Eram novos, vê-se nos rostos. Que esperanças teriam?
.

.
.

.
Quem eram estas pessoas? David não se lembra, já nem sabe. Como viviam e morriam em Lisboa? Que vidas tiveram? Gente vulgar, decerto. Pessoas comuns. A excursão acabou. O quadro de «Os Senhorios», não. Continua aqui. Para si.
.

.
Isto eram os blogues da idade da inocência.
.

.

.

.
David parece-me feliz nos seus trabalhos e nos seus dias. Nada tem a esconder, não deve nada. E tem o neto consigo. A sua obra não vai morrer aqui, nem com ele. Disse-me várias vezes que era ele e o neto que estavam a fazer a papeleira. Usou sempre o plural. E chamou o outro David para o pé de si quando lhe pedi para tirar um retrato da papeleira.
.

.
Entardecia, era a hora de arrumar as ferramentas. Pessoas como David adoram fazer estas pausas longas. Então se aparece alguém, como eu, a perguntar-lhe como foi a sua vida... É do que mais gostam de falar. Do que fizeram, ou não fizeram, do que lhes aconteceu, onde moraram... Eu fiquei ali, a ouvir David contar-me a sua vida toda. É isto que eu gosto de fazer. A vida dos outros.
.

.

.
David desmontou a papeleira, para que eu visse os segredos do móvel. Para que eu apreciasse os suaves embutidos em cada gaveta, os diversos tipos de madeira, cada pormenor.
.

.

.

.
Nestas coisas das oficinas, nunca percebi como é que os que lá trabalham sabem onde estão as coisas, os materiais, as ferramentas. Como é que se orientam? Mas o certo é que orientam, no meio de serras, chaves de fendas, formões, cola... uma babel.
.

.

.
O neto. Tão simpático como o avô. Ou não se chamasse David. Qualquer dia, subirá ao trono da Judeia. Agora, está a aprender a ser rei. Não é fácil.
.

.

.
.
.
Ora, o rei David era já velho, de idade mui avançada; e por mais que o cobrissem de roupas não se aquecia. Disseram-lhe, pois, os seus servos: Busque-se para o rei meu senhor uma jovem donzela, que esteja perante o rei, e tenha cuidado dele; e durma no seu seio, para que o rei meu senhor se aqueça. Assim buscaram por todos os termos de Israel uma jovem formosa; e acharam Abisague, a sunamita, e a trouxeram ao rei. Era a jovem sobremaneira formosa; e cuidava do rei, e o servia; porém o rei não a conheceu. Então Adonias, filho de Hagite, se exaltou e disse: Eu reinarei. E preparou para si carros e cavaleiros, e cinquenta homens que corressem adiante dele. Ora, nunca seu pai o tinha contrariado, dizendo: Por que fizeste assim? Além disso, era ele muito formoso de parecer; e era mais moço do que Absalão. E teve entendimento com Joabe, filho de Zeruia, e com o sacerdote Abiatar, os quais aderiram a ele e o ajudavam. Mas Zadoque, o sacerdote, e Benaías, filho de Jeoiada, e Natã, o profeta, e Simei, e Rei, e os valentes que David tinha, não eram por Adonias. Adonias matou ovelhas, bois e animais cevados, junto à pedra de Zoelete, que está perto de En-Rogel; e convidou a todos os seus irmãos, os filhos do rei, e a todos os homens de Judá, servos do rei; porém a Natã, o profeta, e a Benaías, e aos valentes, e a Salomão, seu irmão, não os convidou. Então falou Natã a Bate-Seba, mãe de Salomão, dizendo: Não ouviste que Adonias, filho de Hagite, reina? E que nosso senhor David não o sabe? Vem, pois, agora e deixa-me dar-te um conselho, para que salves a tua vida, e a de teu filho Salomão. Vai à presença do rei Davi, e dize-lhe: Não juraste, ó rei meu senhor, à tua serva, dizendo: Certamente teu filho Salomão reinará depois de mim, e se assentará no meu trono? Por que, pois, reina Adonias? Eis que, estando tu ainda a falar com o rei, eu também entrarei depois de ti, e confirmarei as tuas palavras. Foi, pois, Bate-Seba à presença do rei na sua câmara. Ele era mui velho; e Abisague, a sunamita, o servia. Bate-Seba inclinou a cabeça, e se prostrou perante o rei. Então o rei lhe perguntou: Que queres? Respondeu-lhe ela: Senhor meu, tu juraste à tua serva pelo Senhor teu Deus, dizendo: Salomão, teu filho, reinará depois de mim, e se assentará no meu trono. E agora eis que Adonias reina; e tu, ó rei meu senhor, não o sabes. Ele matou bois, animais cevados e ovelhas em abundância, e convidou a todos os filhos do rei, e a Abiatar, o sacerdote, e a Joabe, general do exército; mas a teu servo Salomão não o convidou. Mas, ó rei meu senhor, os olhos de todo o Israel estão sobre ti, para que lhes declares quem há de assentar-se no teu trono depois de ti. Doutro modo sucederá que, quando o rei meu senhor dormir com seus pais, eu e Salomão meu filho seremos tidos por ofensores. Enquanto ela ainda falava com o rei, eis que chegou o profeta Natã. E o fizeram saber ao rei, dizendo: Eis aí está o profeta Natã. Entrou Natã à presença do rei, inclinou-se perante ele com o rosto em terra, e disse: rei meu senhor, acaso disseste: Adonias reinará depois de mim, e se assentará no meu trono? Pois ele hoje desceu, e matou bois, animais cevados e ovelhas em abundância, e convidou a todos os filhos do rei, e aos chefes do exército, e ao sacerdote Abiatar; e eis que comem e bebem perante ele, e dizem: Viva o rei Adonias! Porém a mim teu servo, e ao sacerdote Zadoque, e a Benaías, filho de Jeoiada, e ao teu servo Salomão, não convidou. Foi feito isso da parte do rei meu senhor? e não fizeste saber a teu servo quem havia de assentar-se no teu trono depois de ti? Respondeu o rei David: Chamai-me a Bate-Seba. E ela entrou à presença do rei, e ficou de pé diante dele. Então o rei jurou, dizendo: Vive o Senhor, o qual remiu a minha alma de toda a angústia, que, assim como te jurei pelo Senhor Deus de Israel, dizendo: Teu filho Salomão há de reinar depois de mim, e ele se assentará no meu trono, em meu lugar; assim mesmo o cumprirei hoje. Então Bate-Seba, inclinando-se com o rosto em terra perante o rei, fez-lhe reverência e disse: Viva para sempre o rei David meu senhor! Depois disse o rei David: Chamai-me a Zadoque, o sacerdote, e a Natã, o profeta, e a Benaías, filho de Jeoiada. E estes entraram à presença do rei. E o rei lhes disse: Tomai convosco os servos de vosso senhor, fazei montar meu filho Salomão na minha mula, e levai-o a Giom. E Zadoque, o sacerdote, com Natã, o profeta, ali o ungirão rei sobre Israel. E tocareis a trombeta, e direis: Viva o rei Salomão! Então subireis após ele, e ele virá e se assentará no meu trono; pois reinará em meu lugar, porquanto o tenho designado para ser príncipe sobre Israel e sobre Judá. Ao que Benaías, filho de Jeoiada, respondeu ao rei, dizendo: Amém; assim o diga também o Senhor Deus do rei meu senhor. Como o Senhor foi com o rei meu senhor, assim seja ele com Salomão, e faça que o seu trono seja maior do que o trono do rei David meu senhor. Pelo que desceram Zadoque, o sacerdote, e Natã, o profeta, e Benaías, filho de Jeoiada, e os quereteus, e os peleteus, e fizeram montar Salomão na mula que era do rei Davi, e o levaram a Giom. Então Zadoque, o sacerdote, tomou do tabernáculo o vaso do azeite e ungiu a Salomão. Então tocaram a trombeta, e todo o povo disse: Viva o rei Salomão! E todo o povo subiu após ele, tocando flauta e alegrando-se sobremaneira, de modo que a terra retiniu com o seu clamor. Adonias e todos os convidados que estavam com ele o ouviram, ao acabarem de comer. E ouvindo Joabe o soar das trombetas, disse: Que quer dizer este alvoroço na cidade? Ele ainda estava falando, quando chegou Jônatas, filho de Abiatar, o sacerdote; e disse Adonias: Entra, porque és homem de bem, e trazes boas novas. Respondeu Jónatas a Adonias: Deveras! O rei David, nosso senhor, constituiu rei a Salomão. E o rei enviou com ele Zadoque, o sacerdote, e Natã, o profeta, e Benaías, filho de Jeoiada, os quereteus e os peleteus; e eles o fizeram montar na mula do rei. E Zadoque, o sacerdote, e Natã, o profeta, ungiram-no rei em Giom; e dali subiram cheios de alegria, e a cidade está alvoroçada. Este é o clamor que ouvistes. E Salomão já está assentado no trono do reino. Além disso os servos do rei vieram abençoar o nosso senhor, o rei Davi, dizendo: Faça teu Deus o nome de Salomão mais célebre do que o teu nome, e faça o seu trono maior do que o teu trono. E o rei se inclinou no leito. Também assim falou o rei: Bendito o Senhor Deus de Israel, que hoje tem dado quem se assente no meu trono, e que os meus olhos o vissem. Então, tomados de pavor, levantaram-se todos os convidados que estavam com Adonias, e cada qual se foi seu caminho. Adonias, porém, temeu a Salomão e, levantando-se, foi apegar-se às pontas do altar. E foi dito a Salomão: Eis que Adonias teme ao rei Salomão; pois que se apegou às pontas do altar, dizendo: Jure-me hoje o rei Salomão que não matará o seu servo à espada. Ao que disse Salomão: Se ele se houver como homem de bem, nem um só de seus cabelos cairá em terra; se, porém, se houver dolosamente, morrerá. Então o rei Salomão deu ordem, e tiraram Adonias do altar. E vindo ele, inclinou-se perante o rei Salomão, o qual lhe disse: Vai para tua casa.
.

.
E vindo ele, inclinou-se perante o rei Salomão, o qual lhe disse: Vai para tua casa.
.

.

.
A Judeia de David fica na Rua Fernandes Tomás. Este é o seu reino. Foi coroado aos 11 anos de idade e, escrevem seus cronistas, ainda não abdicou.
.

.

.

.

.
Nasceu na Beira.
.

.
Veio para Lisboa. Há muitos anos.
.

.
Aos doze anos de idade, era aprendiz de marceneiro.
.

.
Viveu toda a vida na zona do Bairro Alto.
.

.
Agora está aqui, em Santa Catarina. Faz trabalhos de marcenaria e restauro.
.

.
Sem pressas, sem prazos.
.

.
Na companhia de cadeiras. Que do alto, penduradas e luzentes, nos contemplam.
.

.
E este é David, o neto, que aprende. Um dia, será rei da Judeia.
Adeus a ambos.
.

3 comentários:

Alexa disse...

Excelente reportagem!
Gostei muito. Obrigada!

António disse...

obrigada lindos rapazes do SOS. Bela reportagem

sara aires disse...

Lindo! Obrigada por este pequeno tesouro.